Foto: Reprodução.

Engenheiros deram uma “cutucada” na sonda Voyager 1 e receberam uma resposta potencialmente encorajadora, enquanto esperam resolver um problema de comunicação com a sonda espacial envelhecida que persiste há cinco meses.

Lançadas em 1977, a Voyager 1 e sua gêmea, a Voyager 2, estão se aventurando por território cósmico inexplorado ao longo das bordas externas do Sistema Solar.

Enquanto a Voyager 1 continuou transmitindo um sinal de rádio constante para sua equipe de controle de missão na Terra, esse sinal não carrega dados utilizáveis desde novembro, o que aponta para um problema com um dos três computadores a bordo da espaçonave.

Um novo sinal recentemente recebido da espaçonave sugere que a equipe da missão da Nasa pode estar progredindo em sua busca para entender o que a Voyager 1 está experimentando. A Voyager 1 é atualmente a sonda mais distante da Terra, a cerca de 24 bilhões de quilômetros de distância.

Enquanto isso, a Voyager 2 viajou mais de 20,3 bilhões de quilômetros de nosso planeta. Ambas estão no espaço interestelar e são as únicas espaçonaves a operar além da heliosfera, a bolha de campos magnéticos e partículas do sol que se estende bem além da órbita de Plutão.

Inicialmente projetadas para durar cinco anos, as sondas Voyager são as duas espaçonaves com o funcionamento mais longo da história. Suas longas vidas extraordinárias significam que ambas as espaçonaves forneceram insights adicionais sobre nosso Sistema Solar e além, após alcançarem seus objetivos preliminares de passar por Júpiter, Saturno, Urano e Netuno décadas atrás.

Mas ambas as sondas enfrentaram desafios ao longo do caminho à medida que envelheciam.

Quebra na comunicação cósmica

A equipe da missão primeiro notou o problema de comunicação com a Voyager 1 em 14 de novembro de 2023, quando a unidade de modulação de telemetria do sistema de dados de voo começou a enviar um padrão repetitivo de código.

O sistema de dados de voo da Voyager 1 coleta informações dos instrumentos científicos da espaçonave e as agrupa com dados de engenharia que refletem o status de saúde atual da Voyager 1. O controle da missão na Terra recebe esses dados em código binário, ou uma série de uns e zeros.

Mas desde novembro, o sistema de dados de voo da Voyager 1 tem estado preso em um loop.

A espaçonave ainda pode receber e executar comandos transmitidos pela equipe da missão, mas um problema com aquela unidade de telecomunicações significava que nenhum dado científico ou de engenharia da Voyager 1 estava sendo transmitido para a Terra.

Desde a descoberta do problema, a equipe da missão tentou enviar comandos para reiniciar o sistema de computador e aprender mais sobre a causa subjacente do problema.

A equipe enviou um comando, chamado de “toque”, para a Voyager 1 em 1º de março para fazer com que o sistema de dados de voo executasse sequências de software diferentes no caso de algum tipo de falha estar causando o problema.

Em 3 de março, a equipe notou que a atividade de uma parte do sistema de dados de voo se destacava do resto dos dados confusos. Embora o sinal não estivesse no formato ao qual a equipe da Voyager está acostumada quando o sistema de dados de voo está funcionando como esperado, um engenheiro da Deep Space Network da Nasa conseguiu decodificá-lo.

A Deep Space Network é um sistema de antenas de rádio na Terra que ajuda a agência a se comunicar com as sondas Voyager e outras espaçonaves explorando nosso Sistema Solar.

O sinal decodificado incluía uma leitura de toda a memória do sistema de dados de voo, de acordo com uma atualização compartilhada pela Nasa.

“A memória do (sistema de dados de voo) inclui seu código, ou instruções do que fazer, bem como variáveis, ou valores usados no código que podem mudar com base em comandos ou no status da espaçonave”, de acordo com um post no blog da Nasa. “Também contém dados científicos ou de engenharia para downlink. A equipe comparará esta leitura com aquela que desceu antes que o problema surgisse e procurará discrepâncias no código e nas variáveis para potencialmente encontrar a fonte do problema contínuo.”

Como as sondas Voyager continuam funcionando

A Voyager 1 está tão distante que leva 22,5 horas para que os comandos enviados da Terra alcancem a espaçonave. Além disso, a equipe deve esperar 45 horas para receber uma resposta. Atualmente, a equipe está analisando a leitura da memória da Voyager 1 após iniciar o processo de decodificação em 7 de março e encontrar a leitura três dias depois.

“Usar essas informações para elaborar uma solução potencial e tentar colocá-la em ação levará tempo”, de acordo com a agência espacial.

A última vez que a Voyager 1 enfrentou um problema semelhante, mas não idêntico, com o sistema de dados de voo foi em 1981, e o problema atual não parece estar conectado a outras falhas que a espaçonave experimentou nos últimos anos.

Com o tempo, ambas as espaçonaves encontraram problemas e interrupções inesperadas, incluindo um período de sete meses em 2020, quando a Voyager 2 não conseguiu se comunicar com a Terra. Em agosto de 2023, a equipe da missão usou uma técnica arriscada chamada “grito” para restaurar as comunicações com a Voyager 2 depois que um comando inadvertidamente orientou a antena da espaçonave na direção errada.

Enquanto as sondas Voyager gêmeas envelhecidas continuam explorando o cosmos, a equipe lentamente desligou os instrumentos desses “idosos” para conservar energia e estender suas missões, como disse anteriormente Suzanne Dodd, gerente do projeto Voyager, à CNN.

Com informações da CNN.

Fonte

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *