A Rússia prometeu nesta sexta-feira (3) uma “vingança devastadora” se a Ucrânia, atacasse a Crimeia ou a Ponte da Crimeia, que liga o sul da Rússia à península do Mar Negro. Local já foi alvo de Kiev duas vezes.

Moscou disse acreditar que a Ucrânia, que recentemente recebeu dos Estados Unidos sistemas de mísseis guiados de longo alcance, está planejando atacar a ponte antes ou no dia 9 de maio, dia em que a Rússia comemora a vitória da União Soviética na Segunda Guerra Mundial sobre a Alemanha nazista.

A Rússia tomou e anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014. Kiev tem dito repetidamente que considera ilegal a construção da ponte rodoviária e ferroviária, que foi usada no passado para transportar tropas e armamentos. A Ucrânia diz que quer a Crimeia de volta.

Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, listou declarações e publicações em mídias sociais de autoridades da Ucrânia e de países membros da União Europeia que, segundo ela, sugerem que a ponte está na mira de Kiev.

Em 1º de maio, o embaixador da Ucrânia na ONU, Sergiy Kyslytsya, publicou no X o que chamou de “lista de 6 tipos principais de pontes para 2024” com um conjunto de imagens.

A imagem final, rotulada como “Kerch”, o nome da cidade da Crimeia em uma das extremidades da Ponte da Crimeia, foi deixada em branco, talvez sugerindo que ela seria destruída.

Alguns diplomatas e autoridades do Leste Europeu publicaram conteúdo semelhante.

“A ponte da Crimeia está mais uma vez na mira”, disse Zakharova em uma coletiva de imprensa.

“Os preparativos para um ataque a ela, que é difícil de acreditar, estão sendo realizados abertamente, com bravatas ostensivas e com o apoio direto e descarado do Ocidente.”

“Gostaria de alertar Washington e Bruxelas que qualquer ação agressiva contra a Crimeia não só está fadada ao fracasso, mas também será recebida com um devastador ataque de vingança”, disse ela.

Zakharova observou que o secretário de Relações Exteriores britânico, David Cameron, disse na quinta-feira que a Ucrânia tinha o direito de usar armas fornecidas pelo Reino Unido para atingir alvos dentro da Rússia, algo que ela afirmou ser uma prova de que o Ocidente está travando uma guerra híbrida contra Moscou.

A Crimeia fez parte do Império Russo e, posteriormente, da República Socialista Soviética Russa de 1783 a 1954, quando Moscou a presenteou para a então República Socialista Soviética Ucraniana, quando ambas faziam parte da União Soviética.

Moscou agora diz que essa decisão foi um erro.

A Frota do Mar Negro da Rússia, que tem sido repetidamente atacada pela Ucrânia, está baseada na Crimeia.

Fonte: CNN Brasil