Foto: Divulgação

Amantes da música vão poder se inscrever nas oficinas gratuitas de Canto Coral, com o barítono Carlos Morais, até as 12h desta quinta-feira (4), por meio de preenchimento de formulário disponível no site do Território Sirius (https://territoriosirius.com.br/). As aulas são abertas a qualquer pessoa que queira soltar a voz, seja amadora ou profissional, e com idade a partir de 14 anos.

A Oficina de Canto Coral será realizada aos sábados, nos dias 6, 13, 20, e 27, das 9h às 12h, no Teatro Sesi Casa Branca, no Caminho de Areia, Cidade Baixa. Também acontecem oficinas de Canto e Interpretação – com inscrições esgotadas – às segundas e quintas, nos dias 8, 15, 18, 22 e 25, das 18h às 20h, na Associação Beneficente Educação, Arte e Cidadania (Abeac), no fim de linha da Ribeira.

Na Oficina de Canto Coral, serão trabalhados conhecimentos sobre a voz humana e o seu surgimento, além da técnica vocal Bel Canto, por meio da qual as pessoas vão conhecer suas vozes e se identificar dentro do coral.

 “É uma oportunidade de ouro, um evento que vai ocorrer de maneira gratuita, em um espaço bacana, que é o teatro, e com profissionais gabaritados. Essa oficina vai conseguir deixar claro que a arte é acessível a pessoas de todos os níveis. É uma atividade que vai trabalhar com gente que já canta e com gente que nunca cantou e com arranjos da nossa música brasileira, porque às vezes a música erudita afasta as pessoas. Esse senso de coletivo que o canto coral traz é incrível”, afirma Carlos Morais, que atualmente integra o Núcleo de Ópera da Bahia (NOP) e é preparador vocal do coro comunitário do Neojibá.

Ele frisa que a procura pela atividade superou as expectativas, pois a intenção inicial era atender 25 pessoas, mas no momento 72 pessoas já se inscreveram. Formado em Canto Lírico pela Ufba e pós-graduado em ópera e estudos teatrais pela Esmae (Portugal), Morais interpreta o protagonista Nzailu na Ópera dos Terreiros, que já foi apresentada em Salvador no Espaço Cultural da Barroquinha e também em Belém-PA. O espetáculo deu origem a um filme de mesmo nome, estreado na TV aberta francesa em março deste ano.

Cantora e compositora de relevância na cena musical baiana contemporânea, Sandra Simões lançou o álbum Sou Bamba e Rock in Roll, com a participação de grandes nomes da música brasileira, a exemplo de Caetano Veloso. “É uma felicidade fazer parte de uma oficina gratuita e aberta ao público. Precisamos desse apoio institucional para fazer isso mais vezes. Essa é a vontade que a gente tem de fazer isso o tempo inteiro e quando a gente tem esse apoio é maravilhoso”, opina.

Fábio Vidal é responsável pelo projeto Minha Mãe e Eu e a Mãe da Minha Mãe, do qual as oficinas fazem parte, e conta que as cinco oficinas do projeto têm a importância de estabelecer momentos públicos de formação e de experimentação criativa, reunindo artistas profissionais, amadores e pessoas da comunidade.

“As oficinas cênicas e musicais também servem como uma usina criativa para trazer a público estéticas, assuntos, temáticas, referências, técnicas e criações das mais variadas, possibilitando a produção de cenas que já estão sendo incorporadas na dramaturgia do espetáculo, que será estreado em novembro de 2024”, destaca.

Edital – As Oficinas de Canto Coral e de Canto e Interpretação fazem parte do projeto Minha Mãe e Eu e a Mãe da Minha Mãe, que é uma realização do Território Sirius, em parceria com a Multi Planejamento Cultural. O projeto foi contemplado pelo edital Gregórios – Ano III, com recursos financeiros da Fundação Gregório de Mattos (FGM) e da Lei Paulo Gustavo do Governo Federal. As oficinas também contam com o apoio do Sesi e da Abeac.

Reportagem: Priscila Machado/Secom PMS

Fonte: Clique aqui