O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, disse neste sábado (4) que o desenvolvimento sustentável da Amazônia é uma meta fundamental para seu país, indicando que deseja manter a contribuição japonesa em ações voltadas para o combate ao desmatamento na região.

“Nós acreditamos que o desenvolvimento da Amazônia é uma meta importante para o Japão. Continuaremos contribuindo para seu desenvolvimento sustentável”, afirmou Kishida durante coletiva de imprensa em São Paulo, onde esteve neste fim de semana para encontros com empresários e membros da comunidade japonesa no Brasil.

O premiê ainda pontuou que o Japão foi o primeiro país asiático a contribuir para o Fundo Amazônia, com uma doação de R$ 14 milhões em fevereiro. O fundo visa a redução de emissões de carbono provenientes de desmatamento e degradação florestal.

Ele também enfatizou o apoio do Japão no combate à extração ilegal de madeira na região amazônica por meio de sistemas de radares e inteligência artificial.

Kishida esteve em Brasília na sexta-feira (3) para encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na ocasião, ambos anunciaram o lançamento da Parceria Brasil-Japão sobre Meio Ambiente, Clima, Desenvolvimento Sustentável e Economias Resilientes.

A iniciativa reconhece, de acordo com o governo brasileiro, “a importância de abordar a segurança energética, a mudança do clima e o meio ambiente, em consonância com as três dimensões do desenvolvimento sustentável” e estabelece uma série de pontos em que os dois países pretendem cooperar.

Na coletiva de imprensa, o primeiro-ministro japonês ainda mostrou o desejo de cooperar amplamente com os países da América Latina no estreitamento das relações do seu paós com o chamado “Sul Global”.

Kishida esteve no Paraguai nesta semana e se encontrou com o presidente Santiago Peña.

Ele definiu sua viagem à América Latina como uma oportunidade para ampliar a cooperação econômica e defender uma ordem internacional livre e aberta, em meio às tensões geopolíticas em diversas partes do mundo.

Por fim, o premiê voltou a dizer que o Japão buscará colaborar com as prioridades brasileiras no G20, a caminho da cúpula de líderes no Rio de Janeiro, em novembro. O Brasil ocupa a Presidência rotativa do grupo neste ano.

Fonte: CNN Brasil