Foto: Jefferson Peixoto / Secom PMS

 

Entre os Censos de 2010 e 2022, a população de Salvador diminuiu 9,6%, maior recuo entre as capitais, indo a 2.417.678 habitantes. Ainda assim, nesses 12 anos, 4 dos 22 subdistritos do município viram seus totais de moradores aumentarem: São Cristóvão (+35,1%), Itapoã (+10,4%), Maré (+2,0%) e Valéria (0,1%)

Em comum, essas “ilhas” de crescimento populacional na capital baiana têm, principalmente, os territórios extensos, a distância em relação às áreas centrais da cidade, de ocupação mais antiga, e uma proximidade maior com outros municípios da região metropolitana. Além disso, 3 dos 4 subdistritos com população em alta têm predominância de bairros de baixa renda.

São Cristóvão  – Entre 2010 e 2022, o subdistrito de São Cristóvão foi o que mais cresceu em Salvador, tanto em número absoluto de pessoas quanto em termos percentuais. Teve um incremento populacional de mais 35,1%, passando de 101.354 para 136.951 moradores, o que representou mais 35.597 habitantes em 12 anos.

São Cristóvão reúne 7 bairros, São Cristóvão, Jardim das Margaridas, Mussurunga, Itinga, Cassange, Areia Branca e Nova Esperança, e fica na divisa entre os municípios de Salvador e Lauro de Freitas.

Com o aumento de população, passou de 11º a 9º subdistrito mais populoso de Salvador, entre 2010 e 2022. Também teve o maior crescimento no total de domicílios (+79,7%, chegando a 66.101 residências) e no número de domicílios ocupados, ou seja onde mora alguém (+66,7%, indo a 52.140).

Assim como ocorreu em todos os subdistritos de Salvador, o número médio de pessoas por domicílio particular ocupado em São Cristóvão diminuiu entre 2010 e 2022: de 3,1 para 2,6. Ainda assim, era uma média levemente superior à da capital como um todo (2,5 pessoas/domicílio ocupado) e a 4a maior entre os 22 subdistritos.

Itapuã foi o 2o subdistrito soteropolitano que mais cresceu, tanto em número de habitantes quanto em termos percentuais. Entre 2010 e 2022, sua população aumentou 10,4%, de 173.238 para 191.205 moradores (mais 17.967 no período).

O subdistrito reúne 8 bairros: Itapuã, Aeroporto, Stella Maris, Bairro da Paz, Alto do Coqueirinho, Piatã, Patamares e Pituaçu.

Com o crescimento no número de moradores, Itapoã também subiu no ranking populacional dos subdistritos de Salvador, da 7a posição em 2010 para a 5a em 2022. E teve o 2o maior crescimento tanto no total de domicílios (+44,0%, indo a 91.529) quanto no de domicílios ocupados (+33,7%, chegando a 73.895).

A média de moradores por domicílio ocupado no subdistrito recuou de 3,1 para 2,6, entre 2010 e 2022, sendo a 9a mais elevada (embora empatada, no arredondamento, com São Cristóvão).

Os dois outros subdistritos de Salvador que cresceram entre 2010 e 2022 apresentaram variações e aumentos absolutos de população muito menores do que os dois primeiros: Maré, com +2,0% (mais 131 pessoa, chegando a 6.565 moradores, e Valéria, com variação de +0,1% (mais 202 pessoas), indo a 194.611 moradores.

O subdistrito de Maré reúne as três ilhas-bairros de Salvador: ilhas de Maré, dos Frades e de Bom Jesus dos Passos. Apesar do aumento populacional, continuou um dos subdistritos menos populosos da capital, mantendo o 17o lugar entre os 22.

Teve o 4o maior aumento percentual no total de domicílios (+31,3%, indo a 4.630) e o 3o no número de domicílios ocupados (+26,4%, chegando a 2.366). Embora a média de moradores por domicílio tenha caído, de 3,4 em 2010 para 2,8 em 2022, manteve-se a mais alta entre os subdistritos soteropolitanos.

Já o subdistrito de Valéria compreende 16 bairros integralmente – Valéria, Palestina, Águas Claras, Cajazeiras II, IV, V, VI, VII, VIII, X e XI, Fazenda Grande I, II, III e IV, Boca da Mata e Jaguaripe I – e partes de Pirajá e Moradas da Lagoa.

Teve o 3o maior crescimento percentual no total de domicílios (+38,1%, somando 95.194 em 2022) e o 4o maior entre os domicílios ocupados (+23,8%, indo a 74.907). A média de moradores por domicílio ocupado caiu de 3,2 para 2,6, entre os Censos de 2010 e 2022, mas ainda era a 6a maior da capital.

Entre 2010 e 2022, 5 subdistritos de Salvador viram sua população cair mais de 30,0%, liderados por Pilar (-35,5%), Mares (-34,9%) e Santana (-32,0%). Dentre os 18 subdistritos de Salvador com diminuição de população, entre 2010 e 2022, 5 tiveram quedas superiores a 30,0%: Pilar (-35,5%), Mares (-34,8%), Santana (-32,0%), Passo (-31,1%) e Nazaré (-30,9%).

Dentre eles, Pilar (-13,5%), Mares (-6,8%) e Nazaré (-0,2%) foram os únicos que também mostraram redução no total de domicílios, além dos maiores recuos percentuais nos domicílios ocupados (-26,5%, -16,5% e -15,6%, respectivamente).

Esses subdistritos que mais se “esvaziaram” têm áreas relativamente pequenas, estão todos na região central de Salvador, reunindo alguns dos bairros de ocupações mais antigas da capital, parte deles na Cidade Baixa.

O subdistrito de Pilar é basicamente formado por quase todo bairro do Comércio. O subdistrito de Mares reúne os bairros da Calçada, Mares e Boa Viagem. Santana pega o Tororó e parte de Nazaré; já o subdistrito de Nazaré reúne o restante de Nazaré e Saúde.

Com quedas de população mas também de domicílios, Pilar subiu no ranking da média de moradores por residência, ficando com a 2a maior dentre os subdistritos soteropolitanos (2,7, frente a 3,1 em 2010), ocupando justamente a posição que, 12 anos atrás, pertencia a Mares, que caiu para a 7a média de moradores por domicílio ocupado (2,5, frente a 3,3 em 2010).

Com quedas populacionais maiores que a de Salvador, subdistritos de Brotas (-12,9%) e Santo Antônio (-23,7%) deixam o top-5 dos mais populosos. Em 2022, os três subdistritos soteropolitanos mais populosos permaneceram os mesmos de 2010: São Caetano (384.583 pessoas, -17,9% do que 12 anos atrás), Pirajá (358.657 habitantes, -9,3%) e Amaralina (254.133, -9,0%).

Entretanto, a partir daí, houve mudanças no top-5, com a entrada de Valéria na 4ª posição (era 6º em 2010) e de Itapoã na 5ª (era 7º em 2010), superando Brotas (178.577 pessoas, -12,9% do que em 2010), que caiu de 4º para 6º lugar, e Santo Antônio (155.835 pessoas, -23,7%), que passou de 5º para 7º.

Já os cinco subdistritos com menos moradores da capital baiana se mantiveram os mesmos, em 2010 e 2022, apenas com alterações na ordem entre eles.

Conceição da Praia (416 moradores em 2022, -16,3% frente a 2010) e Pilar (851 pessoas, -35,5%) têm as menores populações em ambos os Censos. Em 2022, Passo vem em seguida (1.153 pessoas, -31,1%), depois Sé (1.184 pessoas, -23,5%), estes dois trocando de posição frente a 2010, e Mares (3.314 moradores, -34,9%).

Além de possibilitar saber o totais de pessoas e domicílios por todos os distritos e subdistritos do Brasil, as informações por setores censitários permitem a pessoas e instituições interessadas elaborar recortes detalhados e personalizados, como o que mostra quantas pessoas moram ao longo da costa do país e do estado.

Na Bahia, 6 em cada 10 pessoas moram no litoral. Numa faixa que considera até 150 km de distância do oceano, ao longo da costa baiana, viviam, segundo o Censo 2022, 8.458.811 pessoas, 59,8% da população do estado (de 14.141.626 habitantes).

A concentração populacional no litoral é maior na Bahia do que no Brasil como um todo, onde 111.277.361 pessoas residem a uma distância de até 150 km do oceano, o que corresponde a 54,8% da população brasileira.

Fonte

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *