Autoridades israelenses acreditam que 128 reféns levados nos ataques de 7 de outubro permanecem em Gaza. Entre eles, pelo menos 34 estão mortos.

As Forças de Defesa de Israel disseram que os restos mortais de Elyakim Libman, que havia sido classificado como refém em Gaza, foram encontrados em território israelense.

Israel considera oficialmente reféns todas as pessoas que foram levadas pelo Hamas, mesmo que já tenham morrido, até que seus restos mortais sejam devolvidos.

Nem todos os reféns são cidadãos israelenses. Oito são tailandeses e um é nepalês.

O número total de reféns fornecidos pelos militares de Israel tem flutuado nos meses desde o ataque, com base em informações de inteligência.

Há mais quatro reféns, dois dos quais estão mortos, que foram mantidos em Gaza desde antes de 7 de outubro, de acordo com o escritório do primeiro-ministro israelense.

Negociações sobre reféns

Uma delegação do Hamas chegou ao Cairo neste sábado (4) para retomar as negociações sobre reféns e cessar-fogo na Faixa de Gaza. Os Estados Unidos dão suporte diplomático às conversas. A finalização dos últimos detalhes do acordo pode levar dias, segundo autoridades dos EUA.

O acordo que está sendo negociado inclui a libertação de 20 a 33 reféns durante várias semanas em troca de uma trégua temporário e da libertação de prisioneiros palestinos. Isso seria seguido pelo que as fontes descreveram à CNN como a “restauração da calma sustentável”, durante a qual os reféns restantes, soldados israelenses e corpos de reféns seriam trocados por mais prisioneiros palestinos.

Fonte: CNN Brasil