É como se o governo tivesse desembolsado R$ 1 milhão para cada dia fora do Brasil; despesas não incluem os voos da FAB

O Ministério das Relações Exteriores desembolsou ao menos R$ 65,9 milhões durante as viagens presidenciais de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao exterior em 2023. Os dados foram obtidos pelo Poder360 a partir de pedidos de Lei de Acesso e de consultas no Portal da Transparência

O petista passou 62 dias fora do Brasil ao longo do ano. É como se o Itamaraty tivesse disponibilizado aproximadamente R$ 1 milhão por dia viajado. Os valores não se referem somente aos gastos do presidente, mas sim de todas as suas comitivas. Não incluem os voos bancados pela FAB (Força Aérea Brasileira), que mantém as despesas sob sigilo.

De todas as 15 investidas internacionais realizadas em 2023, a mais cara foi a que levou o governo aos Estados Unidos e à Cuba em setembro. Custou R$ 16,0 milhões ao ministério. Lula foi a Nova York para a Assembleia da ONU (Organização das Nações Unidas) e à Havana para a cúpula de líderes do G77+China, grupo que reúne países em desenvolvimento do chamado Sul Global.

A 2ª mais cara custou R$ 9,1 milhões em um giro internacional a 4 países: Arábia Saudita, Qatar, Emirados Árabes e Alemanha. A comitiva esteve lá de 27 de novembro a 5 de dezembro.

O top 3 de viagens mais custosas termina com a ida do governo brasileiro à China e aos Emirados Árabes em abril, que soma R$ 7,8 milhões. 

As cifras foram enviadas em dólar (US$) e em euro (€), no caso de algumas viagens da Europa. Os números foram convertidos para a cotação em real referente ao último dia de estada do petista no respectivo país. Também estão corrigidos pela inflação

O Poder360havia noticiado os gastos das visitas de Lula ao exterior para o 1° semestre de 2023. Os valores foram atualizados até o fim do ano –por isso são maiores nesta reportagem. Além disso, as despesas com diárias de militares não foram consideradas no período de janeiro a junho.

Em nota enviada ao Poder360 às 18h57, a assessoria de imprensa do presidente disse que as “viagens presidenciais são um importante instrumento para o fortalecimento de relações entre países e para a promoção de negócios”. De acordo com o Planalto, o governo brasileiro fechou 57 acordos bilaterais de diversos níveis nas viagens presidenciais, sendo:

  • 7 com a Argentina;
  • 15 com a China;
  • 4 com os Emirados Árabes Unidos;
  • 13 com Portugal;
  • 4 com a Espanha;
  • 2 com o Japão;
  • 7 com Angola;
  • 2 com São Tomé e Príncipe;
  • 3 com Cuba;
  • 19 com a Alemanha;
  • 2 com Egito.

“O Brasil, após hiato de 4 anos como pária internacional, voltou a ser convidado para os principais eventos globais e a ser recebido pelas principais lideranças do mundo. Além disso, em reconhecimento à importância do país e de suas atuais lideranças, líderes globais também voltaram a visitar o país. Esse ano já visitou o país o presidente da Espanha, Pedro Sánchez, e ainda no 1º semestre estão previstas as visitas do presidente francês [Emmanuel Macron] e o primeiro-ministro japonês [Fumio Kishida], todos acompanhados de delegações de empresários. Na presidência do G20, o Brasil receberá ainda este ano líderes e representantes das 20 economias mais robustas do globo”, diz o texto.

Leia ao final da reportagem a íntegra da nota enviada pela Secom (Secretaria de Comunicação Social) com informações da Presidência sobre resultados das viagens de Lula.

HOSPEDAGEM, A MAIOR DESPESA

A acomodação das autoridades representou uma cifra de R$ 27,8 milhões –equivalente a 42,2% dos valores.

Os outros gastos de maior relevância foram com:

  • diárias de civis – R$ 6,0 milhões;
  • diárias de militares – R$ 5,3 milhões; 
  • contratação de intérpretes – R$ 1,4 milhão. 

Há desembolsos de valores menores (aluguel de salas, coquetéis em embaixadas e compra de equipamentos de escritório), que somam R$ 7,6 milhões.

Abaixo, uma série de infográficos detalha como foram administrados os gastos em cada uma das 15 viagens internacionais do presidente Lula: 

DIÁRIAS

Um total de 254 civis receberam diárias do Itamaraty durante as viagens presidenciais ao exterior.

Os dados do Portal da Transparência mostram quais funcionários públicos tiveram mais recursos. O ministério direcionou R$ 98.870 ao fotógrafo oficial de Lula, Ricardo Stuckert, por exemplo. Ele acompanha o petista nas viagens e fica em 2º lugar no ranking de quem mais recebeu diárias. 

Eis o top 5

  • Wagner Caetano Alves de Oliveira, secretário de Relações Político-Sociais da Presidência – R$ 105 mil;
  • Ricardo Stuckert, fotógrafo oficial – R$ 98.870;
  • Pedro Magalhães Roncisvalle, diretor de Segurança Imediata do presidente – R$ 97.003;
  • Claudio Adão dos Santos Souza, diretor do Departamento de Distribuição Audiovisual – R$ 92.279;
  • Taynara Pretto Tenório da Cunha, assessora do Gabinete Pessoal do presidente da República – R$ 92.279. 

Em relação aos militares, 234 receberam diárias do Itamaraty. Nos dados compilados sobre os integrantes do exército, R$ 290 mil não são atribuídos a nenhum país em específico. 

LULA NO EXTERIOR

Apesar de ter passado 62 dias fora do Brasil em 2023, a expectativa para 2024 é que o petista diminua a intensidade de seus compromissos internacionais. Ele quer dar apoio aos seus aliados durante as eleições municipais para prefeitos e vereadores.

Lula não ganha destaque

O presidente ainda não transformou a repercussão de suas viagens ao exterior em mais popularidade no Brasil.

Quando discursou na ONU (Organização das Nações Unidas), na abertura da 78ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), em 19 de setembro de 2023, foi praticamente ignorado pelos principais veículos jornalísticos nos EUA e na Europa.

Os jornais de países desenvolvidos preferiram destacar a forte condenação feita à Rússia pelo presidente norte-americano, Joe Biden. Também teve grande exposição a fala do líder da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

Copyright
reprodução/The Washington Post

Página do jornal “Washington Post”, em setembro de 2023, mencionou Lula apenas para falar da posição neutra em relação à guerra na Ucrânia

Depois, a viagem ao Egito para tentar propor um acordo de paz entre Israel e Hamas também foi tratada com descrédito pelas publicações estrangeiras de grande relevância.

Depois, teve recepção ruim a declaração do presidente comparando a operação militar israelense na Faixa de Gaza com o extermínio de judeus realizado por Adolf Hitler na Alemanha nazista.

Copyright
reprodução/Al Jazeera

Em fevereiro, o canal estatal do governo da monarquia do Qatar, Al Jazeera, que transmite notícias 24 horas em inglês, destacou a declaração na qual Lula afirma que os palestinos estão sendo alvo de um “genocídio”

R$ 27,1 mi a mais que Bolsonaro

A comparação se dá para os primeiros anos de mandato de cada um. Sob o petista, o Ministério das Relações Exteriores desembolsou R$ 65,9 milhões nas investidas internacionais. Com o ex-presidente, as despesas somaram R$ 38,8 milhões.

Lula ficou 62 dias fora do país em 2023 e viajou mais que seu antecessor. Isso explica em parte os custos maiores. Bolsonaro passou 38 dias no exterior em 2019. 

O dado é mais um indicador que mostra como Lula tem investido mais que Bolsonaro em pautas internacionais.

Os gastos médios por dia viajado para ambos se deram de forma proporcional. Foi de R$ 1,06 milhão para o petista. Para o ex-presidente, o valor é um pouco menor: R$ 1,02 milhão.

O Itamaraty também enviou a origem dos gastos (hospedagem, aluguel de veículos etc.). Leia abaixo a comparação detalhada para o 1º ano de mandato de cada um dos presidentes:

O maior destaque vai para as diárias destinadas aos militares. Foi a única categoria em que Bolsonaro gastou mais que Lula. A proximidade do governo anterior com militares era maior. Além disso, muitos integrantes da gestão eram ligados ao exército. 

Sob Bolsonaro, o Itamaraty desembolsou R$ 7,3 milhões para custear as diárias dos militares. Com Lula, foram R$ 5,3 milhões. A diferença é de R$ 2,0 milhões. 

Bolsonaro realizou um total de 10 viagens internacionais em 2019. Leia quais foram: 

Leia abaixo a íntegra da nota enviada ao Poder360 pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência:

“Prezados,

“Tendo em conta o grande interesse demonstrado pelo Poder360 no tema das viagens presidenciais ao exterior – particularmente na manhã de hoje, em que foram veiculadas diversas matérias sobre os custos dessas viagens – cabe sugerir que as matérias em questão sejam complementadas com os resultados dessas viagens, tanto do ponto de vista financeiro como político, de modo a oferecer aos leitores do Poder360 uma visão completa sobre o tema, resultando em informação de maior qualidade.

“Desde o início de seu terceiro mandato, o presidente Lula já visitou 30 países, cumprindo extensa agenda com líderes internacionais entre visitas oficiais, reuniões bilaterais e cúpulas multilaterais.

“Viagens presidenciais são um importante instrumento para o fortalecimento de relações entre países e para a promoção de negócios. O Brasil, após hiato de 4 anos como pária internacional, voltou a ser convidado para os principais eventos globais e a ser recebido pelas principais lideranças do mundo. Além disso, em reconhecimento à importância do país e de suas atuais lideranças, líderes globais também voltaram a visitar o país. Esse ano já visitou o país o presidente da Espanha, Pedro Sánchez, e ainda no 1º semestre estão previstas as visitas do presidente francês [Emmanuel Macron] e o primeiro-ministro japonês [Fumio Kishida], todos acompanhados de delegações de empresários. Na presidência do G20, o Brasil receberá ainda este ano líderes e representantes das 20 economias mais robustas do globo.

“As viagens realizadas pelo presidente Lula já resultaram em diversos acordos bilaterais e atração de investimentos para o país, muitos deles fartamente documentados pela imprensa, como a atração de mais de US$ 117 bilhões de montadoras estrangeiras no país. Estes investimentos são fruto do trabalho constante de promoção do Brasil realizado pelo governo brasileiro, que tem colocado o país na vanguarda da transição energética, um dos temas mais relevantes da atualidade.

“Na viagem à China, além dos 15 acordos entre os dois governos, outros 42 acordos foram assinados entre empresas brasileiras e chinesas e entre empresas chinesas e o governo brasileiro.

“A previsão é que os acordos com a China rendam investimentos de até R$ 50 bilhões, e outros R$ 12,5 bilhões dos atos assinados com os Emirados Árabes, especialmente na área de energia verde. Além disso, a visita à Arábia Saudita resultou em anúncio de investimentos de até R$ 50 bilhões do Fundo Soberano do país em projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil, inclusive no âmbito do PAC, até 2030. Também as empresas portuguesas EDP e Galp anunciaram investimentos de R$ 32 bilhões. Por fim, o Japão anunciou uma linha de crédito de R$ 1 bilhão para investimentos no setor de saúde brasileiro.

“Por meio das viagens empreendidas até o momento, o Brasil fechou até agora ao menos 57 acordos bilaterais de diversos níveis: 7 com a Argentina, 15 com a China, 4 com os Emirados Árabes Unidos, 13 com Portugal, 4 com a Espanha, 2 com o Japão, 7 com Angola, 2 com São Tomé e Príncipe, 3 com Cuba, 19 com a Alemanha e 2 com Egito. Alguns desses acordos têm impacto direto na vida dos cidadãos, como a isenção de vistos para visitantes brasileiros ao Japão, a facilitação do reconhecimento de diplomas entre Brasil e Portugal, além de diversos outros. Outros quatro acordos foram fechados com o Vietnã, na visita do primeiro-ministro do país ao Brasil em setembro, após um primeiro encontro entre os dois no Japão, em maio, durante a cúpula ampliada do G7.

“As viagens presidenciais ajudaram também na abertura de 96 novos mercados para produtos brasileiros. Exemplo disso é a recente habilitação de 38 frigoríficos para exportar à China, a maior de uma só vez, totalizando 146, o que sozinho pode representar um aumento de 10 bilhões de dólares na exportação de proteína animal para o país asiático. A atual gestão, ao contrário da anterior, não antagoniza a China, o principal parceiro econômico do Brasil. O presidente da China, Xi Jinping, será recebido no Brasil em visita de Estado no 2º semestre.

“Importante, ainda, destacar que, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente, as doações ao Fundo Amazônia, retomadas após paralisia de quatro anos no governo anterior, atingiram recorde de US$ 726 milhões. Outros R$ 3,1 bilhões devem ser doados ao longo de 2024 por EUA, Noruega, Reino Unido, União Europeia e Dinamarca.”

Fonte

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright ©️ Elizeu Rosa
℠ NOVATOPNET Hosedagem para Sites de Notícias🔰