O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi recebido no palácio presidencial da Colômbia, a Casa de Nariño, pelo presidente colombiano, Gustavo Petro, nesta terça-feira (17). Os líderes tiraram uma foto juntos, e Lula recebeu um boné de Petro.

O presidente brasileiro visita Bogotá com uma ampla comitiva de 9 ministros para uma agenda cheia nesta quarta. Lula e Petro participam de uma reunião bilateral, e logo haverá um encontro ampliado com a participação de ministros de ambos os países.

A Colômbia é a terceira maior economia da América do Sul e tem mais de 1.600 km de fronteira com o Brasil. Na agenda bilateral dos dois países estão assuntos como comércio, cooperação técnica, integração fronteiriça, proteção da Amazônia e de povos indígenas e afrodescendentes, combate ao crime transnacional e gestão territorial.

Os países devem assinar memorandos de entendimento em questões como combate ao tráfico de pessoas, desenvolvimento agrário, cooperação policial.

Apesar do enorme leque da relação bilateral, as atuais crises latino-americanas chocam com o espírito integracionista de Lula e podem ocupar espaço na conversa entre os presidentes.

A reunião entre Petro e Lula na Casa de Nariño deve durar cerca de duas horas. Um dos temas abordados deve ser o processo eleitoral da Venezuela. Na semana passada, o presidente da Colombia esteve em Caracas e propôs para Maduro ser mediador de um diálogo com a oposição. O venezuelano chamou a iniciativa de excelente e pediu ajuda em todo o possível para que haja entendimento em seu país.

A preocupação e disposição ao diálogo é comum com Lula. O Brasil disse que o impedimento de que a candidata opositora Corina Yoris se inscrevesse como candidata é incompatível com o acordo que estabeleceu garantias eleitorais para a realização das eleições presidenciais deste ano na Venezuela.

Mas o Planalto mantém a postura de que o isolamento do governo de Maduro não contribui para a melhora da situação na Venezuela.

Outro assunto que pode ser tratado é a invasão da embaixada mexicana pela polícia equatoriana. Sobre o episódio, Petro disse que o Equador e Israel estão praticamente de mãos dadas na competição pela barbárie. Já Lula afirmou que a postura do governo equatoriano é inaceitável e cobrou um pedido formal de desculpas.

Depois das reuniões no palácio, os dois presidentes participarão do encerramento do Fórum empresarial Brasil Colômbia realizado pela Agência de Promoção para as Exportações brasileiras, a Apex, e sua equivalente colombiana. Cerca de 200 empresários brasileiros participarão do evento.

Antes de voltar para o Brasil, Lula participará da Feira Internacional do Livro de Bogotá, que neste ano tem o Brasil como convidado de honra e país homenageado.

Fonte: CNN Brasil