Andrei Peroba é uma das vítimas do acidente em parque em Salvador — Foto: Redes sociais

O jovem Andrei Peroba Bispo Cerqueira, de 20 anos, que teve o braço amputado após um acidente em um parque de diversões em Salvador, recebeu alta hospitalar no sábado (23). A informação foi confirmada pelo advogado da família Peroba, Bruno Moura, à equipe de produção da TV Bahia.

O episódio aconteceu em fevereiro, no Campo da Pronaica, no bairro Cajazeiras 10, na capital baiana. Andrei ficou internado no Hospital Geral do Estado (HGE), em estado grave, por mais de um mês. Ele chegou a ser entubado.

Andrei aparece em um vídeo agradecendo o apoio e torcida da família. O jovem também promete informações sobre a evolução da recuperação. “Agradeço a Deus o livramento e logo logo vou mostrar pra vocês minha recuperação e evolução”, disse ele [assista o vídeo abaixo].

O acidente foi registrado no dia 15 de fevereiro, uma quinta-feira à noite. Na época, a família contou que Andrei Peroba foi até o parque após o trabalho para se divertir com a irmã de 17 anos e a prima de nove.

Os três familiares estavam no brinquedo estilo pêndulo, quando o equipamento despencou e atingiu o chão. O jovem teve o braço esmagado e testemunhas relataram que havia muito sangue no local. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o HGE.

Na semana seguinte, na segunda-feira (19), familiares de Andrei pediram justiça durante um protesto no local que o parque estava instalado.

Jovem que perdeu braço após acidente em parque de diversões de Salvador recebe alta

Parque de diversões que registrou acidente em Salvador começa a ser desmontado — Foto: Reprodução/TV Bahia

Na noite de quinta-feira, 15 de fevereiro, Andrei Peroba foi até o parque após o trabalho para se divertir com a irmã de 17 anos e a prima de nove. Os três familiares estavam no brinquedo estilo pêndulo, quando o equipamento despencou e atingiu o chão. O jovem teve o braço esmagado e testemunhas relataram que havia muito sangue no local. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o HGE [veja vídeo abaixo].

A mãe das vítimas, Linéia Peroba, afirmou que o jovem não tinha recebido assistência do estabelecimento.

“Eu quero uma resposta. Em alguns vídeos que eu vi, disseram que iam entregar essas porcaria aqui perfeita. Venha cá, vocês vão me entregar meu filho perfeito? Porque Deus me deu meu filho perfeito e essa porcaria aqui tentou destruir meu filho, destruiu o sonho do meu filho”, disse a mãe, revoltada.

Ainda segundo a mãe do jovem, Andrei Peroba estava extremamente abalado com a situação. O rapaz havia conseguido um emprego três meses antes do acidente e foi ao parque com a prima e a irmã para se divertir.

O parque estava instalado no Campo da Pronaica, no bairro Cajazeiras 10, e tinha alvará de funcionamento. Após o acidente, o espaço foi interditado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur).

Duas pessoas ficam feridas após brinquedo despencar em parque de Salvador

A irmã de Andrei, Andreia, também se machucou. Apesar disso, os ferimentos foram leves e ela foi liberada depois de ser atendida no Hospital Eládio Lasserre.

Ela contou que havia visitado o parque outras vezes e, por isso, não desconfiava da falta de segurança dos equipamentos. Inicialmente, Andreia pensou que o tombo sentido pelas pessoas que estavam no brinquedo era algo natural.

Outras pessoas que estavam no parque ouviram um estalo, que foi seguido de um estrondo.

Esse não é o primeiro caso de acidentes registrados no parque, já que quatro dias antes, uma estudante precisou levar quatro pontos no braço após se cortar em outro equipamento.

Tia de jovem que teve braço amputado após acidente em parque é atingida por carro na BA

Familiares de Andrei Peroba pediram justiça durante um protesto no local que o parque estava instalado. A mobilização aconteceu na segunda-feira (19). Na manifestação, a tia do jovem foi atropelada por um carro e o momento foi flagrado pela equipe de reportagem da TV Bahia.

A situação aconteceu às 12h18, quando os familiares de Andrei Peroba seguravam cartazes no meio da rua. O motorista do carro, de cor preta, avançou na direção do grupo e atingiu Andressa Peroba, que teve ferimentos leves no joelho.

Sentada no chão, ela desabafou sobre a situação do sobrinho. “O carro passou por cima de mim, queria me matar, mas eu não vou calar minha boca. Eu quero justiça pelo meu sobrinho, eu não estou roubando, matando, só quero justiça pelo meu sobrinho”, afirmou.

Segundo a advogada Sara Barros, que representa o dono do brinquedo, a desmontagem foi liberada pela Polícia Civil na terça-feira, após realização de perícia.

Ainda segundo a advogada, desde a sexta-feira (16) a mãe de Andrei teria sido procurado pela defesa, porém não foi encontrada. Sara Barros disse que, no sábado (17), havia falado com o advogado que representa a família do jovem e que os parentes teriam se recusado a receber suporte.

Na ocasião, o parque de diversões Mundo Encantado se pronunciou sobre o ocorrido e disse, por meio de nota, que lamentava o acidente e informou que todas as instalações passavam por rigoroso controle de segurança.

Os donos do parque de diversões foram notificados pela Diretoria de Ações de Proteção e Defesa do Consumidor (Codecon).

De acordo com a Codecon, os responsáveis pelo equipamento deveriam apresentar os documentos necessários para comprovar a permissão de funcionamento e a realização das manutenções exigidas. O prazo termina nesta quarta-feira (21).

Caso os donos do parque não apresentem os documentos, eles poderão ser autuados por “desobediência”.

O que dizem as autoridades

A Polícia Civil informou neste domingo (24) que as investigações estão em curso e não informou detalhes.

A Sedur informou na época que o local deveria ficar fechado até a emissão do laudo de perícia técnica que, segundo o Departamento de Polícia Técnica (DPT).

De acordo com a Defesa Civil de Salvador (Codesal), a suspeita é que o acidente foi causado por falha mecânica ou falta de manutenção – o que só poderá ser comprovado com a perícia.

Em nota, o Corpo de Bombeiros confirmou que prestou socorro à vítima e que fez a vistoria do parque em relação a prevenção de incêndio e pânico. A vistoria em relação a manutenção dos equipamento não é feita pela corporação.

A Câmara Municipal de Salvador requereu acesso aos documentos que autorizaram:

  • a instalação do parque no local;
  • o funcionamento do brinquedo em que aconteceu o acidente;
  • esclarecimentos sobre a realização de vistorias técnicas nos equipamentos do parque.

Veja mais notícias do estado no g1 Bahia.

Assista aos vídeos do g1 e TV Bahia 💻

Fonte

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *