Quando Julia Wanjiku colocou o filho Isaac para dormir no último domingo, depois de um dia comemorando o aniversário de três anos, ela não percebeu que também estava se despedindo.

Nas primeiras horas da manhã de segunda-feira, Wanjiku acordou após ouvir gritos de seus vizinhos. Um rio feroz de água lamacenta desaguou na cidade de Mai Mahiu, cerca de 50 quilômetros ao norte de Nairobi, capital do Quênia. Quando a água bateu, o marido de Wanjiku tentou segurar o filho, mas não conseguiu – Isaac foi levado embora.

“Ainda não sabemos onde está o nosso filho”, disse Wanjiku à CNN. Ela estava entre os sobreviventes que se reuniram na Ngeya Girls High School em Mai Mahiu na terça-feira. Apoiada pela mãe e pela tia, ela chorou ao dizer que estava pelo menos grata por ter sobrevivido. O pai de Isaac estava arrasado demais para falar.

As inundações em Mai Mahui custaram a vida a pelo menos 52 pessoas, das quais 18 eram crianças.

Foi uma tragédia que ecoou em outras cidades do Quênia, incluindo Nairobi e partes da famosa reserva de vida selvagem Maasai Mara. Consequência de semanas de chuvas intensas, que provocaram inundações repentinas, e causaram a morte de pelo menos 210 pessoas. As chuvas deixaram mais de 90 desaparecidos e deslocaram outros 165.500 moradores.

O Quênia está acostumado a chuvas fortes nesta altura do ano – a longa estação chuvosa vai de março a maio – mas esta situação tem ocorrido numa escala que não é vista há anos.

Durante apenas dois dias, no início de maio, choveu mais do que o normal para o mês em algumas partes do país.

Especialistas dizem que a chuva foi intensificada por uma mistura de dois padrões climáticos naturais – El Niño e um Dipolo positivo do Oceano Índico, também conhecido como El Niño do Índico, quando as águas mais quentes são empurradas para oeste através do Oceano Índico – bem como pela tendência subjacente de aquecimento global causado pelo homem.

Apesar do enorme impacto que as inundações já causaram, o pior pode ainda estar para vir, uma vez que a chuva continua a cair sobre as terras já saturadas e rios inchados.

“Relatórios meteorológicos preveem um quadro terrível”, disse o presidente queniano William Ruto. O país também está se preparando para os impactos daquele que seria o primeiro ciclone que pode atingir o país, o Hidaya. O fenômeno se desloca em direção à costa da vizinha Tanzânia.

Uma vista da área enquanto os moradores do bairro de Mathare tentam evacuar a área com seus pertences importantes em Nairobi, Quênia, em 24 de abril de 2024 / Gerald Anderson/Anadolu via Getty Images

A vida de muitas pessoas foi revirada

Na quinta-feira, o secretário do Interior do Quônia, Kithure Kindiki, anunciou que 178 barragens e reservatórios “podem transbordar a qualquer momento”, e ordenou as pessoas que vivem perto deles que deixem as casas, caso contrário correm o risco de serem removidas à força. O porta-voz do governo, Isaac Mwaura disse que cerca de 100 mil pessoas foram afetadas.

As escolas, que foram fechadas durante as inundações, permanecerão fechadas “até novo aviso”, anunciou o presidente. Algumas estão sendo usadas ​​como abrigos para os deslocados.

As pessoas em assentamentos informais são particularmente atingidas, disse Mark Laichena, diretor de estratégia da organização popular queniana Shining Hope for Communities, que trabalha em favelas urbanas.

“A água potável foi contaminada, os cuidados de saúde são escassos e o abastecimento de alimentos foi levado pela água ou estragado”, disse ele à CNN. “Essas inundações estão em uma escala de destruição que não víamos nos últimos anos.”

De uma seca de vários anos a inundações mortais

O governo criou mais de 50 abrigos em todo o país para fornecer abrigo aos deslocados e planeja aumentar este número, disse Mwaura. Também está distribuindo alimentos e outros suprimentos essenciais. A ajuda externa também está chegando — os Emirados Árabes Unidos prometeram 80 toneladas de ajuda alimentar.

No entanto, a medida que a escala da catástrofe aumenta, aumenta ainda mais a raiva da população diante do ritmo da resposta do governo e à falta de informação sobre o que acontece com aqueles que são forçados a fugir.

A Human Rights Watch, uma organização sem fins lucrativos com sede em Nova York, criticou a ação do governo em um comunicado. Afirmou que o governo queniano “não conseguiu implementar um plano de resposta nacional a tempo”, apesar dos avisos do Departamento Meteorológico do Quênia, já em maio de 2023, de que o El Niño intensificaria as estações chuvosas no país.

“A devastação em curso realça a obrigação do governo de se preparar e responder prontamente aos impactos previsíveis das alterações climáticas e dos desastres naturais”, afirmou Nyagoah Tut Pur, investigador africano da Human Rights Watch.

A medida que o mundo aquece, a previsão é que a frequência e a intensidade de eventos de precipitação extrema aumentem, uma vez que uma atmosfera mais quente pode reter mais humidade, tornando mais prováveis ​​inundações dramáticas.

As fortes chuvas também afetaram outros países da África Oriental, incluindo a Tanzânia, onde pelo menos 155 pessoas morreram.

Vídeo revela destruição no Quênia após chuvas e enchentes
Imagem revela destruição no Quênia após chuvas e enchentes / Reuters

O porta-voz do presidente rejeitou fortemente as críticas ao governo, dizendo que estavam fazendo o melhor possível com os recursos que têm em mãos. “Nunca podemos estar totalmente preparados para essas crises humanitárias”, disse ele.

Ele enfatizou que a conversa deveria ser realmente sobre as mudanças climáticas e quem é o maior responsável. “Os países ocidentais estão causando estragos” ao aquecerem a Terra e os países africanos estão pagando o preço, disse ele, apesar de representarem menos de 4% dos níveis globais de poluição que provoca o aquecimento do planeta.

O Quênia, um país firme na linha da frente da crise climática, passou de uma seca devastadora e de vários anos – que os cientistas dizem ter sido tornada pelo menos 100 vezes mais provável pelas alterações climáticas – para inundações mortais.

“Quando as pessoas ainda estão sofrendo com um evento climático extremo, isso as torna altamente vulneráveis ​​a outro”, disse Joyce Kimutai, pesquisadora do Instituto Grantham do Imperial College London.

A vulnerabilidade é totalmente clara em Mai Mahiu. A cidade ainda está repleta de vestígios do desastre: montes de móveis emaranhados, chapas de metal retorcidas arrancadas dos telhados das casas e veículos tombados. Moradores ainda tentam retirar corpos da lama.

As pessoas aqui são principalmente agricultores de subsistência e comerciantes de mercado. Muitos, como Githukuri Makau, um pastor de cabras que está abrigado na Ngeya Girls High School, escaparam das inundações com nada mais do que as roupas do corpo.

Makau disse que teve a casa destruída pelas cheias. Ele não sabe o que fará quando a escola reabrir e precisar encontrar um novo lugar para ficar. “Agora estou na miséria”, disse ele, “não há para onde ir, não há ninguém a quem recorrer”.

Larry Madowo participou de Mai Mahui e Laura Paddison participou de Londres. Louis Mian, Allison Chinchar e Mary Gilbert da CNN contribuíram para a reportagem

Fonte: CNN Brasil