O norte de Gaza está enfrentando uma “fome total” que se espalha rapidamente por toda a faixa após quase sete meses de guerra, alertou o Programa Alimentar Mundial (WFP), uma filial de auxílio alimentar da Organização das Nações Unidas.

Enquanto isso, negociadores se reúnem no Cairo na esperança de chegar a um acordo para um cessar-fogo no conflito que assola o território.

As observações colocaram em evidência a escala da catástrofe humanitária que se desenrola.

“Sempre que há conflitos como este, a fome acontece”, disse a diretora executiva do WFP, Cindy McCain, ao “Meet the Press” da NBC, num clipe divulgado antes da entrevista ir ao ar no domingo (5).

“O que posso explicar é que há fome – fome total – no norte, e está se movendo em direção ao sul.” Embora as observações de McCain não constituam uma declaração oficial, ela disse que se basearam no que o pessoal do WFP viu durante atuação na região.

“É um horror”, disse ela sobre a situação em Gaza. “É tão difícil de olhar e é tão difícil de ouvir.”

McCain disse que o WFP pede um cessar-fogo e “acesso irrestrito” a Gaza, uma vez que a entrega de ajuda ao território tem sido extremamente difícil.

Israel tem enfrentado uma pressão crescente nas últimas semanas para permitir a entrada de ajuda em Gaza depois dos seus ataques militares terem matado sete funcionários da World Central Kitchen, uma instituição de caridade com sede nos Estados Unidos.

As agências de direitos humanos há muito alertam para uma crise humanitária crescente em Gaza sob o ataque militar de Israel, lançado em resposta aos ataques de 7 de outubro liderados pelo Hamas.

Mais de 34.600 palestinos foram mortos por ataques israelenses em Gaza até 1º de maio, segundo o Ministério da Saúde de Gaza.

Ao longo da guerra, mais de 1,9 milhões de palestinos foram deslocados à força, segundo a ONU, sendo que muitos deles foram abrigados em tendas de acampamento apertadas, em locais que não conseguem oferecer acesso suficiente a saneamento ou alimentos.

Toda a população de mais de 2,2 milhões de pessoas está agora em risco de fome e pelo menos 30 crianças já morreram de desnutrição e desidratação em Gaza, segundo o Ministério da Saúde.

As preocupações também aumentam com uma potencial operação militar israelense em Rafah, no sul de Gaza, o que levou a novos apelos a um cessar-fogo.

Enquanto as negociações continuavam no Cairo, o líder do gabinete político do Hamas, Ismail Haniyeh, emitiu um comunicado no domingo dizendo que “o movimento Hamas ainda está interessado em chegar a um acordo abrangente e interligado que ponha fim à agressão, garanta a retirada [dos militares israelenses de Gaza] e consiga um acordo sério de troca de prisioneiros.”

Haniyeh disse que a delegação defendeu “posições positivas e flexíveis” destinadas a impedir “a agressão contra o nosso povo, que é uma posição fundamental e lógica que estabelece as bases para um futuro mais estável”.

Uma delegação do Hamas chegou ao Egito no sábado (4) para discutir um possível cessar-fogo e acordo de reféns.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, emitiu uma declaração em vídeo acusando o Hamas de fazer exigências inaceitáveis ​​nas negociações.

Ele disse que Israel “demonstrou vontade de percorrer um longo caminho”, mas “o Hamas permaneceu entrincheirado em suas posições extremas, entre elas a exigência de retirar todas as nossas forças da Faixa, acabar com a guerra e deixar o Hamas intacto”.

“O Estado de Israel não pode aceitar isto”, continuou Netanyahu. “Israel não concordará com as exigências do Hamas, o que significa rendição, e continuará a lutar até que todos os seus objetivos sejam alcançados.”

Potencial operação em Rafah

Autoridades dos EUA avaliam atualmente que um número limitado de tendas está sendo construído no sul de Gaza com a finalidade de abrigar temporariamente civis que seriam retirados de Rafah no caso de uma incursão das Forças de Defesa de Israel, informou um alto funcionário da administração na sexta-feira (3).

No entanto, o responsável sublinhou que as tendas que estão sendo construídas não chegam nem perto da quantidade que seria necessária para abrigar as mais de 1 milhão de pessoas que precisariam ser atendidas.

“[Não há] nenhum sinal de que eles estejam iminentemente capazes, dispostos ou prontos para entrar em Rafah”, disse o oficial sobre as forças israelenses. “Certamente não estão preparados para cuidar, alimentar e sustentar um milhão e meio de pessoas.”

O governo israelense informou organizações de ajuda humanitária nos últimos dias sobre seus planos para evacuar civis de Rafah, segundo uma fonte familiarizada com o assunto.

O governo avisou que uma operação em Rafah estava a caminho, mas não forneceu qualquer tipo de cronograma e não sugeriu que fosse iminente.

Espera-se que um acordo final entre Israel e o Hamas leve mais alguns dias para ser negociado na capital egípcia.

*Com informações de Kareem Khadder, Mostafa Salem, Eve Brennan, Ibrahim Dahman e Tim Lister da CNN Internacional

Fonte: CNN Brasil