Vídeos e imagens obtidos pela CNN mostram múltiplas explosões na área de Rafah, cidade no sul da Faixa de Gaza, na noite desta segunda-feira (6).

Relatos nas redes sociais indicam que as explosões ocorreram a leste de Rafah, uma área onde as Forças de Defesa de Israel (FDI) ordenaram a retirada de civis mais cedo nesta segunda.

Autoridades dos Estados Unidos estão monitorando de perto as notícias das explosões e têm “preocupações reais” sobre a situação.

Ainda assim, não acreditam que este seja o início da grande operação militar de Israel no sul de Gaza, disseram as autoridades dos EUA à CNN.

Embora a situação seja preocupante, as fontes pontuaram que, por enquanto, acreditam que os supostos ataques têm um alcance limitado.

O governo de Joe Biden continua se opondo à ofensiva de Israel em Rafah, conforme destacou o porta-voz da Casa Branca, John Kirby, a jornalistas no início da tarde desta segunda.

Operação em Rafah vai continuar, diz Netanyahu

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta segunda-feira que o gabinete de guerra do país decidiu continuar com a operação militar na cidade de Rafah, onde mais de um milhão de palestinos estão refugiados.

“O gabinete de guerra decidiu por unanimidade que Israel continue a operação em Rafah para exercer pressão militar sobre o Hamas, a fim de avançar na libertação dos nossos reféns e nos outros objetivos da guerra”, pontuou o gabinete de Netanyahu em comunicado.

Hamas aceita proposta de cessar-fogo

O chefe do gabinete político do Hamas, Ismail Haniyeh, ligou para mediadores para informar que o grupo armado aceitou uma proposta para um acordo de cessar-fogo e libertação de reféns feita pelo Catar e pelo Egito.

Uma fonte afirmou à CNN que o acordo que o grupo armado aceitou é diferente daquele que Israel ajudou a construir com os mediadores de Catar e Egito.

Israel ainda não aceitou a medida, mas Netanyahu afirmou que enviará uma delegação para negociações.

“Paralelamente, embora a proposta do Hamas esteja longe das exigências necessárias de Israel, Israel enviará uma delegação de trabalho aos mediadores, a fim de chegar a um acordo em condições aceitáveis para Israel”, afirmou.

Uma fonte diplomática familiarizada com as discussões disse à CNN que, depois de uma reunião em Doha, capital do Catar, entre o diretor da CIA, a agência de inteligência dos EUA, William Burns, e o primeiro-ministro do Catar, Sheikh Mohammed bin Abdulrahman Al Thani, os mediadores convenceram o Hamas a aceitar um acordo de três fases.

Os Estados Unidos ressaltaram que estão analisando a resposta do Hamas, enquanto o presidente da Turquia pediu que Israel aceite o acordo.

Fonte: CNN Brasil