Equipes de mergulhadores realizam operações de busca e resgate no local em que uma ponte desabou em Baltimore, nos Estados Unidos, após ser atingida por um navio de carga.

O colapso aconteceu por volta de 1h30 no horário local desta terça-feira (26).

O executivo do condado de Baltimore Johnny Olszewski disse à CNN: “Com o sol nascendo, finalmente podemos entrar e iniciar as operações de mergulho”

Ele observou que uma investigação sobre o que aconteceu está em andamento, mas que o foco continua nos esforços de busca e resgate.

Olszewski disse que a “inteligência mais recente” do condado é que há “pelo menos sete pessoas afetadas”.

“As condições são difíceis”, disse Olszewski.

“Estamos falando de uma porta de canal profundo. São 40, 50 metros de profundidade, correntes fortes. O tempo está ventoso, a água está fria. E por isso certamente nos preocupamos com quem está na água, sem falar na queda da ponte”, acrescentou.

Olszewski reiterou que havia pessoas trabalhando na ponte no momento do desabamento. “Também identificamos, com sonar de varredura lateral, que havia carros no convés”, disse ele.

“Parece um pesadelo para todos nós na região da Grande Baltimore”, acrescentou Olszewski.

Temperatura da água pode ser perigosa para pessoas que ainda estão no rio

As temperaturas da água no porto de Baltimore, perto do local do colapso da ponte, estão atualmente entre 7 e 8 graus Celsius.

Isso é uma temperatura perigosa para as pessoas que estão submersas nela e que “não estão preparadas para o que a exposição repentina pode fazer ao seu corpo e cérebro”, de acordo com um site de segurança em água gelada do Serviço Meteorológico Nacional americano.

Nadadores exaustos sem flutuação podem sobreviver em temperaturas de água de 4 a 10 graus Celsius por cerca de 30 a 60 minutos, enquanto o tempo provável de sobrevivência com flutuação é de duas a três horas, de acordo com a Universidade de Minnesota.

As operações de busca e salvamento já passaram da sexta hora desde a ocorrência do evento.

FBI descartou terrorismo

Em um comunicado divulgado nesta terça-feira (26), o escritório local do FBI em Baltimore disse que “não havia nenhuma informação específica e crível que sugerisse qualquer ligação com o terrorismo neste momento” em relação ao colapso da ponte.

As equipes de resgate estão procurando pelo menos sete pessoas na água depois que um enorme navio porta-contêineres colidiu com a ponte Francis Scott Key na manhã desta terça-feira.

A colisão causou o colapso da ponte e jogou pessoas e veículos para a água gelada, disse o chefe do Corpo de Bombeiros da cidade de Baltimore, James Wallace, durante uma coletiva de imprensa na manhã de terça-feira.

Duas pessoas foram retiradas do rio Patapsco, disse Wallace. Um deles não ficou ferido e o outro foi levado para um centro de trauma local em “estado muito grave”, disse ele.

Acredita-se que vários veículos tenham caído na água, incluindo um tão grande quanto um trator rebocador, disse Kevin Cartwright, diretor de comunicações do Corpo de Bombeiros da cidade de Baltimore.

“Temos uma tragédia indescritível”, disse o prefeito de Baltimore, Brandon Scott, à CNN.

“Havia pessoas trabalhando na ponte no momento. Há carros na água – nosso corpo de bombeiros confirmou isso enquanto lideram esta missão de busca e resgate por meio de sonar. É aí que está o nosso foco – é sobre essas almas, essas pessoas que estamos tentando encontrar e tirar desta água”, disse Scott.

Trabalhadores da construção contratados pela agência estadual de transportes estavam fazendo reparos na ponte no momento do colapso, disse o secretário de Transportes de Maryland, Paul Wiedefeld, na manhã de terça-feira. Ele não especificou quantos trabalhadores estavam lá.

Fonte: CNN Brasil