Dispepsia é uma situação em que a pessoa apresenta sinais e sintomas de má digestão, como dor na parte superior do abdômen, arrotos, náuseas e sensação de mal estar geral, o que pode interferir diretamente na qualidade de vida da pessoa.

Na maioria das vezes, a dispepsia está relacionada com a presença da bactéria Helicobacter pylori no estômago, porém pode também acontecer devido a maus hábitos alimentares, infecções intestinais ou alterações emocionais, como estresse e ansiedade, por exemplo.

É importante que a causa da dispepsia seja identificada pelo clínico geral ou gastroenterologista para que possa ser indicado o tratamento mais adequado, que pode incluir alterações na alimentação do dia a dia ou uso de remédios para aliviar os sintomas, além de também poder ser recomendada melhora nos hábitos de vida, como parar de fumar, evitar bebidas alcoólicas e o consumo de alimentos gordurosos e muito temperados, por exemplo.


Sintomas de dispepsia

Os principais sintomas de dispepsia são:

  • Dor ou desconforto na parte superior do abdômen;
  • Sensação de queimação no estômago;
  • Náuseas;
  • Arrotos constantes;
  • Sensação de saciedade precoce;
  • Inchaço abdominal.

Caso os sintomas de dispepsia sejam frequentes, é importante que a pessoa consulte o gastroenterologista para que seja feita uma avaliação dos sintomas apresentados e que seja indicada a realização de exames que permitam identificar a causa, como a endoscopia digestiva alta, por exemplo. Dessa forma, ao identificar a causa da dispepsia é possível que seja indicado o tratamento mais adequado.

Possíveis causas

A dispepsia acontece quando há alterações na sensibilidade da mucosa do estômago, o que acontece na maioria das vezes devido à presença da bactéria Helicobacter pylori (H. pylori), refluxo gastroesofágico, infecções intestinais ou uso de alguns medicamentos, principalmente o uso de anti-inflamatórios não esteroides.

Além disso, alguns fatores podem favorecer a dispepsia, como maus hábitos alimentares, sedentarismo, obesidade, consumo de álcool e alterações emocionais, como estresse ansiedade, por exemplo, sendo nesse caso conhecido como dispepsia disfuncional.

Como é feito o tratamento

O tratamento para dispepsia deve ser indicado pelo gastroenterologista ou clínico geral e tem como objetivo aliviar os sintomas e promover a qualidade de vida da pessoa. Assim, o tratamento recomendado pode variar de acordo com a causa da dispepsia, podendo ser indicado pelo médico:

1. Remédios para dispepsia

Para aliviar os sintomas de dispepsia o médico pode recomendar o uso de analgésicos, para aliviar a dor no estômago, assim como medicamentos inibidores da produção de ácido, usados para tratar a úlcera péptica, como Omeprazol ou Esomeprazol, por exemplo, ou medicamentos denominados procinéticos, que ajudam a esvaziar o conteúdo do estômago.

No caso da pessoa ter infecção pelo H. pylori, pode ser indicado pelo médico o uso de antibióticos.

2. Tratamento natural

O tratamento natural para a dispepsia tem como objetivo evitar fatores que podem desencadear os sintomas relacionados com a dispepsia, como cigarro, álcool e café, além de ter uma alimentação saudável e equilibrada.

Além disso, é importante controlar o peso corporal, realizar exercício físico e diminuir o nível de estresse e ansiedade, realizando atividades que ajudam a relaxar, como meditação, yoga ou aromaterapia, por exemplo.

Outra forma de aliviar os sintomas é usar uma bolsa de água morna e aplicá-la sobre a barriga durante as crises mais dolorosas. Confira algumas opções de remédios caseiros para má digestão.

3. Dieta para dispepsia

A dieta para dispepsia, envolve eliminar os alimentos que se manifestam intolerantes ao paciente e, para saber quais são os alimentos, deve-se registrar as suas sensações depois da ingestão controlada de alimentos de forma a identificar que alimentos podem ser menos tolerados pela mucosa, originando os sintomas de dor, barriga inchada ou diarreia.

De forma geral, os alimentos que devem ser evitados são os temperos, alimentos gordurosos, frituras, bebidas gaseificadas, cacau ou chocolate, além de alimentos que causem gases, como feijão, couve de Bruxelas, brócolis, couve-flor ou cebola, por exemplo.

É importante que as refeições sejam feitas em horários regulares e em um ambiente agradável, e que se tenha mastigação adequada e de forma pausada. Além disso, é indicado que as refeições sejam em pouco quantidade, o que ajuda a melhorar a digestão dos alimentos. No caso em que a pessoa apresente acidez ou ardor, é recomendado não deitar após comer.

Leia também: 14 alimentos que ajudam na digestão (e 5 que atrapalham)


tuasaude.com/alimentos-que-ajudam-na-digestao





98% dos leitores

acham este conteúdo útil



(226 avaliações nos últimos 12 meses)

Fonte: Tua Saúde!

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *