As urnas na maior democracia do mundo, a Índia, serão abertas em 19 de abril, anunciou o comissário eleitoral do país neste sábado (16), um pleito que deve dar ao primeiro-ministro Narendra Modi um raro terceiro mandato consecutivo.

Estima-se que 960 milhões de pessoas, em um país de 1,4 bilhão de habitantes, sejam elegíveis para votar nas eleições, que levarão um mês para serem concluídas.

O Partido Bharatiya Janata (BJP), ao qual Modi é filiado, deve garantir mais cinco anos no poder, governando uma Índia que se tornou cada vez mais polarizada em termos religiosos.

A votação se desenvolverá em sete fases em todo o país, nos 28 estados e oito territórios da união, terminando em 1º de junho.

Os indianos votarão para 543 assentos na Câmara baixa do Parlamento, que tem 545 assentos, chamada Lok Sabha. As outras duas cadeiras na Câmara serão indicadas pelo presidente.

Todos os votos serão contados em 4 de junho, informou a comissão em uma coletiva de imprensa em Nova Deli.

Sob a liderança de Modi, a Índia está prestes a se tornar uma potência do século XXI, à medida que sua economia se expande rapidamente.

Mas o líder populista, dizem os analistas, reforçou o controle sobre as instituições democráticas de uma forma nunca vista desde a década de 1970, sob o governo de mão de ferro de Indira Gandhi, com as minorias se sentindo perseguidas pelas políticas hindu-nacionalistas do BJP e a dissidência amordaçada.

Aliança contra Modi

Contra Modi está o principal partido da oposição, o Congresso Nacional Indiano, que governou o país durante grande parte dos 77 anos desde a independência, e que, no ano passado, formou uma aliança com outros partidos.

A Aliança Nacional Indiana para o Desenvolvimento Inclusiva, ou ÍNDIA, marcou um passo significativo para uma oposição que luta para recuperar a relevância nacional.

Mas já surgiram fissuras no bloco, que ainda não apresentou o seu candidato a primeiro-ministro, faltando alguém com o tipo de estrela e apelo projetado por Modi.

A agenda do primeiro-ministro no ano passado incluiu viagens diplomáticas à Austrália e aos Estados Unidos, onde se apresentou como um estadista que consolidou o país como uma potência global moderna.

Em agosto, a Índia fez história ao pousar suavemente um veículo espacial na Lua, tornando-se apenas a quarta nação a fazê-lo. Semanas depois, lançou sua primeira espaçonave dedicada ao estudo do Sol.

A Índia acolheu o G20 em setembro, apresentando a Nova Deli uma oportunidade de aumentar sua liderança para além das fronteiras do país, num momento de crescente turbulência política.

Em janeiro deste ano, Modi marcou o início não oficial de sua campanha eleitoral ao inaugurar o polêmico Ram Janmabhoomi Mandir, um templo hindu na cidade sagrada de Ayodhya que foi construído no local da destruída mesquita de Babri.

A consagração desse templo, segundo os analistas, marcou uma mudança importante dos valores seculares fundadores da Índia, à medida que Modi ignora as normas que dividem a religião do Estado no seu esforço para ganhar um terceiro mandato.

Mas isso foi bem recebido em muitos setores, com os seguidores de Modi elogiando o líder pela sua dedicação à fé maioritária hindu.

Em 2019, o BJP de Modi conquistou 303 assentos no Parlamento, ultrapassando o limite de 272 necessários para uma maioria absoluta, desferindo um golpe humilhante no Partido do Congresso.

No ano passado, a Índia ultrapassou a China como o país mais populoso do mundo. A sua população em idade de trabalho agora chega a mais de 900 milhões, de acordo com dados de 2021 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

Espera-se que esse número atinja mais de 1 bilhão na próxima década, segundo o governo indiano.

A comissão eleitoral disse que 968,8 milhões de pessoas se registaram para votar nas urnas de 2024, um aumento de 6% em relação a 2019.

Fonte: CNN Brasil

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *