Na última quarta-feira (20), um tribunal espanhol autorizou a libertação de Daniel Alves da prisão por meio do pagamento de fiança de 1 milhão de euros (cerca de R$ 5,45 milhões), enquanto são examinados os recursos contra a sua condenação por estupro. Apesar disso, o ex-jogador, condenado a quatro anos e meio de reclusão, ainda não conseguiu o dinheiro necessário e permanecerá na cadeia neste fim de semana.

Ele terá a chance de depositar o dinheiro novamente apenas na próxima segunda-feira (25), já que o escritório judicial fica fechado aos sábados e domingos.

O Tribunal Provincial de Barcelona até havia concedido uma hora a mais para Daniel Alves efetuar o pagamento, mas o tempo não foi suficiente. O primeiro prazo era às 14h (horário local), e foi prolongado até 15h.

Pela manhã da última quarta-feira, o jornal espanhol ‘La Vanguardia’ noticiou que o pai de Neymar pagaria a fiança do ex-lateral do Barcelona. Horas depois, ele utilizou sua conta no Instagram para negar a informação.

“Como é do conhecimento de todos, em um primeiro momento ajudei Dani Alves, sem nenhum vínculo com qualquer processo. Neste segundo momento, em uma situação diferente da anterior, em que a Justiça espanhola já decidiu pela condenação, estão especulando e tentando associar o meu nome e do meu filho a um assunto que hoje não nos compete mais”, escreveu.

“Espero que o Daniel encontre junto à sua própria família todas as respostas que ele procura. Para nós, para minha família, o assunto terminou. Agora ponto final!”, completou.

Entenda o caso de Daniel Alves

Daniel Alves está preso desde 20 de janeiro de 2023 na Espanha. Ele foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão por estupro a uma mulher no banheiro de uma boate no país europeu.

A Justiça aceitou pedido da defesa para que, mediante pagamento de fiança, seja concedida uma liberdade provisória, até se esgotarem os recursos, já que o atleta recorreu da condenação. Mesmo que seja solto agora, Daniel Alves terá de entregar todos os passaportes e comparecer semanalmente ao Tribunal de Barcelona.

Fonte

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *