O câncer de boca é um tipo de tumor maligno que pode surgir em qualquer estrutura da boca, como lábios, língua, parte interna das bochechas, céu da boca, gengiva ou garganta, causando sintomas como aparecimento de feridas ou aftas que demoram para cicatrizar, caroços na boca ou ínguas no pescoço que não desaparecem.

O câncer de boca é mais comum após os 50 anos, mas pode surgir em qualquer idade, sendo mais frequente em fumantes ou pessoas que mantém uma má higiene bucal.

É importante consultar o clínico geral ou o dentista sempre que surgirem os sintomas do câncer de boca, para que seja feita uma avaliação completa e, se necessário, iniciado o tratamento rapidamente, pois as chances de cura deste tipo de câncer são maiores quanto mais cedo for iniciado o tratamento.


Sintomas de câncer de boca

Os principais sintomas de câncer de boca são:

  • Feridas que não cicatrizam;
  • Caroços dentro da boca ou lábios;
  • Dor na boca;
  • Dificuldades para engolir;
  • Perda de peso sem motivo aparente;
  • Sangramento ou dormência na boca;

Além disso, a pessoa com câncer de boca também pode apresentar mancha branca ou vermelha na língua, lábios, garganta ou bochecha, gengiva branca ou avermelhada, dificuldade ou dor ao falar ou voz rouca, ínguas ou caroços no pescoço, dentes soltos ou gengivas doloridas.

Leia também: Câncer na gengiva: o que é, sintomas, causas e tratamento


tuasaude.com/cancer-na-gengiva

Os sintomas do câncer de boca geralmente surgem de forma progressiva e silenciosa, o que pode fazer com que a doença seja diagnosticada em estágios mais avançados.

Como confirmar o diagnóstico

A confirmação do diagnóstico é feita pelo clínico geral ou dentista, através da avaliação das lesões na boca, além do histórico de saúde e outros sintomas apresentados pela pessoa.

Para confirmar o risco de câncer de boca, marque uma consulta com o especialista mais perto de você:

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Oncologistas e receba o cuidado personalizado que você merece.



Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.


Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

Para confirmar o diagnóstico, o médico também solicita uma biópsia, que é um exame feito a partir de uma amostra da coleta do tecido que será analisado, para identificar se existem células cancerígenas.

Caso sejam identificadas células tumorais, o médico pode ainda pedir uma tomografia computadorizada para avaliar o grau de desenvolvimento da doença e identificar se existem outros locais afetados, além da boca. Conheça outros exames que detectam o câncer.

Possíveis causas

O câncer de boca é causado por mutação nas células de qualquer parte da estrutura da boca que passam a se multiplicar de forma descontrolada.

Alguns fatores que aumentam o risco do câncer de boca são:

  • Fumar tabaco, cigarro eletrônico ou rapé;
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Mascar tabaco e noz de areca, ou noz de betel;
  • Infecção pelo vírus HPV;
  • Leucoplasia;
  • Uso de enxaguantes bucais com álcool;
  • Má higiene bucal;
  • Histórico familiar e/ou anterior de câncer de boca.

Além disso, a alimentação pobre em frutas e vegetais, assim como a exposição prolongada ao sol também podem favorecer o aparecimento de câncer de boca.

Como é feito o tratamento

O tratamento do câncer de boca deve ser orientado pelo oncologista e pode ser feito através de cirurgia, quimioterapia, radioterapia, terapia alvo ou imunoterapia, dependendo da localização do tumor, gravidade da doença e se o câncer já se espalhou para outras partes do corpo.

1. Cirurgia

A cirurgia do câncer de boca tem como objetivo remover o tumor para que não aumente de tamanho, ou se espalhe para outros órgãos. Os procedimentos cirúrgicos para remover o câncer, dependendo da localização do tumor, são:

  • Glossectomia: consiste na remoção de uma parte ou de toda a língua, quando o câncer está presente neste órgão;
  • Mandibulectomia: é feito com a remoção de todo ou parte do osso do queixo, realizada quando o tumor se desenvolve no osso da mandíbula;
  • Maxilectomia: quando o câncer se desenvolve no céu da boca, é necessário remover o osso da maxila;
  • Laringectomia: consiste na remoção da laringe quando o câncer se localiza neste órgão ou se espalhou para lá.

Após a cirurgia, geralmente é necessário reconstruir a área afetada para manter as suas funções e a estética, sendo usado, para isso, músculos ou ossos de outras partes do corpo. A recuperação da cirurgia varia de pessoa para pessoa, mas pode durar até 1 ano.

Embora sejam raros, alguns efeitos colaterais da cirurgia do câncer de boca incluem dificuldade em falar, engolir ou respirar e alterações estéticas no rosto.

2. Quimioterapia

A quimioterapia pode ser feita antes da cirurgia, para diminuir o tamanho do tumor, ou depois da cirurgia, para eliminar as células cancerígenas que permaneceram. A quimioterapia também pode ser feita quando existem metástases, que é quando o câncer se espalhou para outras regiões do corpo.

Este tipo de tratamento pode ser feito com a ingestão de comprimidos, em casa, ou com remédios colocados diretamente na veia, no hospital, como a cisplatina, 5-fluorouracil, carboplatina ou docetaxel, por exemplo.

A quimioterapia tem como objetivo eliminar todas as células que estão crescendo muito rapidamente e, por isso, além das células do câncer, também podem afetar as células saudáveis do corpo que se multiplicam rapidamente, levando ao surgimento dos efeitos colaterais da quimioterapia, como perda do cabelo, anemia ou aumento do risco de infecções, por exemplo. Saiba como aliviar os efeitos colaterais da quimioterapia.

3. Radioterapia

A radioterapia para câncer de boca é semelhante à quimioterapia, mas usa radiações para destruir ou diminuir a velocidade de crescimento de todas as células da boca, podendo ser aplicada sozinha ou associada a quimioterapia ou terapia alvo.

A radioterapia no câncer de boca e orofaringe é normalmente aplicada de forma externa, através de uma máquina que emite radiação sobre a boca, devendo ser realizada 5 vezes por semana durante algumas semanas ou meses, conforme orientação do oncologista.

Por atacar várias células da boca, este tratamento pode causar queimaduras na pele no local onde é aplicada a radiação, rouquidão, perda de paladar, vermelhidão e irritação da garganta ou surgimento de feridas na boca, por exemplo.

4. Terapia alvo

A terapia alvo usa medicamentos para ajudar o sistema imune a identificar e atacar especificamente as células cancerígenas, provocando poucos efeitos nas células normais do corpo.

Um remédio usado na terapia alvo é o cetuximab, que impede o crescimento das células do câncer e as impede de se espalharem pelo organismo. Este medicamento pode ser combinado com radioterapia ou quimioterapia, para aumentar a chance de cura.

Alguns efeitos colaterais da terapia alvo para câncer na boca podem ser reações alérgicas, dificuldade em respirar, aumento da pressão arterial, acne, febre ou diarreia, por exemplo.

5. Imunoterapia

A imunoterapia também um tipo de tratamento que é feito no hospital com remédios aplicados diretamente na veia, como o pembrolizumab ou nivolumabe, que ajudam a aumentar a resposta do sistema imune contra as células do câncer, o que pode levar à uma diminuição do tamanho do câncer ou atrasar o seu crescimento.

Os remédios imunoterápicos podem ser usados junto com a quimioterapia, ou usados sozinhos, nos casos de câncer de boca que tenham sidos tratados anteriormente, mas voltou a aparecer, ou ainda usados nos estágios mais avançados ou com metástases.

Como prevenir o câncer de boca

Algumas sugestões que podem ajudar a prevenir o câncer de boca são:

  • Escovar os dentes pelo menos 2 vezes por dia, com escova de dentes e creme dental com flúor;
  • Manter uma dieta saudável, priorizando frutas, legumes e cereais, e evitando alimentos ultraprocessados;
  • Usar camisinha em todas as relações sexuais, até mesmo no sexo oral, para evitar a contaminação com o HPV;
  • Não fumar e evitar a exposição à fumaça do cigarro;
  • Evitar consumir bebidas alcoólicas de forma excessiva ou constante;
  • Usar batom ou bálsamo labial com fator de proteção solar, principalmente se trabalhar exposto ao sol.

Além disso, é importante também consultar regularmente o dentista, para avaliar a saúde das gengivas e dos dentes, e se necessário, tratar precocemente qualquer alteração na boca.

Fonte: Tua Saúde!