O Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, enviou uma mensagem severa ao Catar no início deste mês: diga ao Hamas que eles devem entregar um acordo de refém e cessar-fogo que pararia a guerra em Gaza ou correrem o risco de ser expulso da capital do Catar, Doha, onde os membros seniores do grupo terrorista estão baseados, disseram dois funcionários americanos à CNN.

A pressão dos EUA veio em um momento em que as negociações entre o Hamas e Israel haviam parado, antes que o Hamas voltasse à mesa com um novo conjunto de exigências que foram discutidas esta semana em Doha.

As negociações indiretas, realizadas entre Israel e o Hamas sob mediação do Catar e do Egito, foram as primeiras a serem realizadas em Doha nesse nível em semanas e devem ser retomadas na sexta-feira (22).

A mensagem foi entregue por Blinken ao primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores do Catar, o xeque Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani, em uma reunião em Washington em 5 de março, disseram fontes familiarizadas com o assunto. Autoridades americanas disseram que o Catar, que tem sido um parceiro importante para os EUA nos esforços para chegar a um acordo de cessar-fogo, entendeu a mensagem e a recebeu sem grande resistência.

Funcionários do Catar não comentaram sobre a reunião específica, mas disseram que estão exercendo imensa pressão sobre o Hamas. Não está claro se o Catar entregou o aviso aos líderes do Hamas.

O Hamas estabeleceu um escritório político em Doha em 2012, com membros seniores do grupo baseados lá permanentemente. Como resultado, o Catar desempenha um papel crucial na região entre o Hamas e outras nações.

Embora a mensagem de Blinken neste mês tenha sido dura, o governo de Biden tem discutido ativamente com o Catar seu relacionamento com o Hamas desde que o grupo terrorista realizou seu ataque brutal a Israel em 7 de outubro.

Uma semana após o ataque de 7 de outubro, Blinken se encontrou com o emir do Catar, Sheikh Tamim bin Hamad Al-Thani, em Doha, e disse publicamente que “não pode haver mais negócios como de costume” com o Hamas.

Durante essa reunião, o Emir sugeriu que o país estaria disposto a expulsar os líderes do Hamas de Doha se fossem solicitados pelos EUA, de acordo com fontes familiarizadas com a reunião. Mas o Emir também disse a Blinken que o Hamas estava disposto a entregar alguns reféns e Blinken concordou que seria bom buscar a oportunidade de tirar os reféns, o que desencadeou todo o processo de negociação, disseram fontes separadas familiarizadas com a reunião à CNN.

As negociações duraram meses e trouxeram uma pausa temporária nos combates e uma libertação limitada de reféns em novembro.

A mensagem de Blinken no início deste mês foi motivada por frustrações dos EUA sobre o ritmo lento de progresso nas negociações, disseram autoridades dos EUA.

“Eu gostaria de ter visto isso feito ainda mais cedo. Não posso ter certeza de que não foi feito, mas seu comportamento me sugere que eles não estavam sentindo pressão de nós lá”, disse Dennis Ross, um ex-enviado dos EUA para o Oriente Médio.

“Meu palpite é que no início, havia uma diferença na avaliação da administração, eles pensaram – eles teriam mais capacidade de resposta por não colocar pressão sobre isso [Hamas]. Eu acho que com o passar do tempo, eles se tornaram um pouco mais frustrados.”

Enquanto algumas autoridades dos EUA observaram que não está claro exatamente o quanto a ala política do Hamas em Doha, tem sobre a facção militante do grupo em Gaza, eles também apontaram para avançar esta semana com os partidos finalmente se encontrando novamente na capital do Catar.

Blinken deu um tom otimista nesta semana, dizendo na quarta-feira (20) que as negociações estão “se aproximando” de um acordo.

“Acho que as lacunas estão se estreitando e acho que um acordo é muito possível”, disse Blinken.

Fonte: CNN Brasil

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *