Após três altas seguidas, o Ibovespa registrava uma sessão de perdas nesta quinta-feira (21) tendo como pano de fundo as sinalizações da véspera do Comitê de Política Monetária (Copom) que vieram junto com a redução dos juros em 0,5 ponto percentual, para 10,75% ao ano.

O Comitê do BC mudou a sua orientação futura, sinalizando mais um corte de 0,50 ponto percentual apenas na próxima reunião. Desde agosto, quando o BC deu início a uma sequência de cortes de 0,5 ponto na Selic, a autarquia afirmava que antevia reduções equivalentes “nas próximas reuniões”, no plural, em se confirmando o cenário esperado. Agora, optou pelo singular.

Com isso, apesar de muitas casas seguirem com suas visões sobre a Selic terminal, a sinalização de que a Selic poderá cair menos do que se esperava leva a ajustes na curva de juros e também a maiores incertezas sobre o ritmo de cortes em um cenário de dados de inflação surpreendendo para cima. Com as decisões futuras em aberto, o BC traz a orientação de ser cada vez mais dependente de dados para definir os próximos passos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Enquanto o mercado acionário não se empolgou com essa sinalização – juros mais altos sinalizam menor atratividade para a renda variável – a equipe de estrategistas da XP manteve sua visão otimista com a Bolsa brasileira, com projeção do Ibovespa a 149 mil pontos ao fim de 2024.

A equipe econômica da casa, cabe destacar, apesar do ajuste na orientação futura, não mudou o cenário de que a taxa Selic chegará a 9% em setembro deste ano – ou seja de que ainda há mais cortes por vir – ainda que veja riscos altistas para a dinâmica da inflação à frente, devido às taxas de juros mais altas no mundo (principalmente nos EUA), o que pressiona o real, e à demanda doméstica aquecida, o que pode segurar mais as taxas.

A equipe de estratégia da XP reforça otimismo ao apontar que juros mais baixos tendem a ser positivos para empresas e ativos de risco de forma geral. Isso significa que o custo de capital para as empresas fica mais barato, ou seja, que a empresa tende a pagar menos para financiar suas atividades.

Continua depois da publicidade

“Ao mesmo tempo, ciclos de corte juros também reduzem a taxa de desconto utilizada pelos analistas do mercado para avaliar uma empresa, aumentando seu valor justo (que é de onde vem o preço-alvo de uma ação)”, apontam.

Os estrategistas ainda reforçam, ao analisar os ciclos de corte de juros nos últimos 20 anos no Brasil que, nos 6 ciclos de corte da taxa Selic durante o período analisado, o Ibovespa teve valorização em todos eles, uma média de 38%. Na média, para cada 1 ponto percentual (p.p.) de corte na taxa Selic, o Ibovespa valorizou 5,5%. Por fim, para cada 1 p.p. de corte na taxa Selic, em pontos, o Ibovespa valorizou em média 1.700 pontos.

Os estrategistas ponderam que a taxa Selic não é a única — ou a mais importante — determinante dos rumos para o índice Ibovespa e que, recentemente, o macro global tem ganhado bastante relevância, afetando ações brasileiras principalmente pela saída do capital estrangeiro no ano de 2024.

Porém, a visão segue otimista com base em três razões:

i) a XP vê que o investidor estrangeiro continua com uma visão otimista em relação ao Brasil, conforme as últimas rodadas de reuniões que tiveram com gestores globais. Enquanto isso, os investidores domésticos estão gradualmente voltando a comprar Bolsa nesse ano;

ii) o valuation do Ibovespa continua muito descontado comparando com a média histórica e seus pares globais; e

iii) o ciclo de corte de juros ainda tem espaço para continuar, ressaltando a projeção dos economistas da casa de Selic a 9%.

(com Reuters)

Fonte

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *