O frenesi sem precedentes de especulações que girava em torno de Kate Middleton, a princesa de Gales, deu mais uma guinada esta semana, depois que seus registros médicos foram supostamente violados.

A princesa de 42 anos afastou-se temporariamente da vida pública em janeiro, após uma cirurgia para um problema abdominal não canceroso. Apesar do Palácio de Kensington ter deixado claro que “é pouco provável que ela regresse às funções públicas antes da Páscoa”, a sua ausência gerou níveis extraordinários de investigação amadora nas redes sociais.

Termos da indústria do jornalismo como “apostilas” e “avisos de morte” entraram no vocabulário à medida que os amantes da fofoca mergulharam de cabeça na toca do coelho real online.

Mesmo quando Kate foi vista em público pela primeira vez desde a cirurgia, visitando uma loja no fim de semana passado, as bizarras teorias da conspiração sobre sua saúde e paradeiro continuaram a circular inabaláveis ​​– embora tenham sido facilmente desmascaradas.

E agora há preocupações de que os funcionários do hospital onde Kate recebeu o tratamento possam ter tentado obter seus registros médicos particulares. Não ficou imediatamente claro se a alegada violação de dados foi bem-sucedida, mas vários meios de comunicação britânicos, citando o tablóide Daily Mirror, relataram na quinta-feira (21) que até três funcionários estavam sendo investigados. A London Clinic disse que “todas as medidas investigativas, regulatórias e disciplinares apropriadas serão tomadas”, depois que o órgão governamental de vigilância da privacidade de dados confirmou que estava investigando uma suposta violação de dados.

Este suposto caso não é a primeira vez que a privacidade médica de Catherine foi comprometida. Anteriormente, enquanto ela estava grávida de seu primeiro filho em 2012, uma estação de rádio australiana ligou para o hospital em que a princesa estava e enganou uma enfermeira para que revelasse suas informações médicas privadas, que foram então transmitidas.

Para muitos comentaristas da internet, a intriga é obra do próprio palácio, e o mistério da princesa desaparecida poderia ter sido evitado se a instituição tivesse uma estratégia de relações públicas melhor. O argumento dos guerreiros do teclado é que o antigo protocolo de “nunca reclame, nunca explique” não funciona mais.

Como era de se esperar, o palácio não fez nenhuma declaração oficial nos últimos dias. Afinal, ela disse desde o início que só forneceria atualizações quando houvesse algo significativo para compartilhar. Também redirecionou quaisquer perguntas sobre a possível violação de privacidade de volta ao hospital. No entanto, um porta-voz do Palácio de Kensington disse à CNN que “a princesa foi mantida atualizada durante todo o processo”.

E é aqui que mora a estratégia. Os assessores sabem que não estão cuidando de uma celebridade comum, e as regras normais da fama não se aplicam aos membros do clã Windsor. O palácio não responde a todos os rumores que surgem. Fazer isso os legitimaria – e nunca conseguiria fazer mais nada. A realeza está jogando um jogo longo – uma estratégia que tem usado nos últimos mil anos – e não responde à especulação. Mas este nível de especulação nunca foi visto antes, o que está fazendo com que as pessoas questionem se a sua estratégia de comunicação ainda é relevante.

A sugestão de que a privacidade de Kate foi violada mais uma vez deixou muita gente sóbria aqui na Grã-Bretanha, onde a opinião pública começou a mudar novamente. Embora muitos ainda considerem a edição de fotos problemática, há também um coro crescente de vozes conhecidas que pedem moderação na disseminação de teorias da conspiração.

O Arcebispo de Canterbury, Justin Welby, alertou que a conversa online havia saído do controle e era “extremamente prejudicial à saúde”.

“Estamos obcecados com a conspiração e temos pouca noção da humanidade daqueles que são apanhados pelo brilho das notícias”, disse ele à Times Radio. “Não importa quem seja, as pessoas deveriam poder ficar doentes, fazer uma operação, seja ela qual for, e viver suas vidas em paz, sem que todos exijam que provem algo dia sim, dia não”.

Welby continuou: “Foi a web que fez essas teorias da conspiração, para todos os tipos de pessoas, se espalharem. É extremamente prejudicial à saúde. São apenas fofocas de aldeia à moda antiga que agora podem dar a volta ao mundo em segundos. Temos que nos afastar disso. Fofocar dessa maneira é errado.”

O arcebispo não está sozinho no seu apelo à calma. O líder da oposição do Reino Unido, Keir Starmer, disse na quarta-feira (20) que todos deveriam “sair” dos negócios da princesa e “deixá-la em paz” enquanto ela se recupera.

Enquanto isso, o ex-capitão de críquete da Inglaterra, Kevin Pietersen, não titubeou ao atacar as conversas na internet. “As teorias da conspiração em torno de Kate são absolutamente absurdas”, disse ele em um post no X. Ele acrescentou que “é inacreditável que as pessoas sejam tão ridículas e cruéis” e terminou pedindo às pessoas que “deixem ela e sua linda família em paz”

Existem leis rígidas de privacidade no Reino Unido. De acordo com a Seção 170 da Lei de Proteção de Dados de 2018, é crime uma pessoa obter, divulgar ou adquirir dados pessoais de outra pessoa sem o seu consentimento.

Na sequência da alegada tentativa, o órgão de vigilância da privacidade de dados do país, o Information Commissioner’s Office (ICO), reafirmou que todas as organizações de saúde devem manter os dados dos pacientes seguros.

Stephen Bonner, vice-comissário da ICO, disse que “todo paciente, não importa quem seja, tem direito à privacidade”.

Ele disse que as violações eram “raras”, mas que, quando ocorrem, “a ICO está aqui para descobrir quando, como e por que isso aconteceu – e como podemos evitar que isso aconteça novamente”.

A alegação de má conduta chegou rapidamente aos mais altos escalões do governo, com a ministra da Saúde do Reino Unido, Maria Caulfield, descrevendo na quarta-feira a gravidade do alegado incidente. Ela disse à emissora britânica Sky News que havia “regras muito rígidas sobre quais registros de pacientes você pode acessar” e que, no caso de tal violação, a ICO “tomaria medidas coercivas”.

O último episódio da saga real abriu os olhos de muitos e talvez possa oferecer um momento de reflexão tanto para o público quanto para o palácio.

Fonte: CNN Brasil

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *